Páginas

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Re-ligar


Misturava o café devagar observando o movimentar do liquido bailando na xícara. Eram seis da madrugada e a noite havia se arrastado como uma lágrima silenciosa. Sequer ouvia os ruídos da noite, aquela casa vazia, preenchia-se de sombras e ela se envolvia com o vácuo. Seus olhos se derretiam sob o café, que rodava incessantemente . Conduzida pela fome de vida, abandonou a cozinha e pôs-se  na varanda. A noite parecia amarga de se respirar, os ventos pareciam quebrar-se ao tocar em sua pele como laminas frágeis quebrando-se ao golpear uma armadura de ferro pesada. Sentia-se deslocada da noite, como se fosse apenas um fantasma pairando suavemente e se movimentando como o deslize de um véu... como uma melodia preenchendo um vazio qualquer. Fora de realidade, aventurava-se nos mistérios dentro de si mesma, acalentando as inquietudes e dormindo em leito do vão. A paisagem soturna tanto lhe encantava quanto lhe sufocava. Uma dualidade assustadora cravava guerras em seu peito. A cada golpe de ambos os lados, ela sentia uma fincada em sua alma. Por que tudo aquilo parecia tão difícil? Um peso mantendo seus pés no chão. Faltava-lhe o ar, montuava-se de si mesma, guardava, acumulava, e um grande monturo se fez em si. Passava os dedos levemente no apoio de mármore branco da varanda, e quis entender, por que nada se encaixava.
 Após alguns momentos mais, presa, o sol nasceu tão límpido e laureado que ela esqueceu-se todas as suas dores e desencaixes. A luz tomando-a para si por completo, desintegrando qualquer tipo de sombra, como uma flor dente de leão sendo soprada á uma rajada de vento. Inundada de vida, ela enfim, compreendeu.

(Sim, historias inacabadas. Não, não irei terminar)

Beijos D.

3 comentários:

  1. Não precisa terminar. Afinal, esse foi apenas o começo da manhã, após uma madrugada de pensamentos agitados e questionamentos inquietantes.

    Adoro o jeito como escreve. :D

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que texto sinestésico.
    A descrição que você fez, me fez imaginar a cena aqui, na minha frente. Escolheu as palavras certas e compôs um texto belíssimo, ainda que inacabado.
    Acho que deveria terminar, seu talento e capacidade para um desfecho são evidentes e saltam aos olhos de qualquer pessoa.
    Enfim, muito bonito mesmo.

    Abraços,
    http://perolairregulaar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir