Páginas

quarta-feira, 23 de março de 2011

Nublado



Sua sacerdote.
Purificado sob minhas lágrimas.
Guardado sob o leito de meu coração.
Encontrado vendado perdido na nevoa ofuscante.
Agora o seu parece tão límpido. Suas palavras foram ouvidas.
Floresceu com a pureza e beleza de um lírio.
Tentei ninar a sombra em você.
Lhe livrei da maldição noturna que ocoria em seus pesadelos.
A dor que lhe oprimia, se foi.
Desejando, que isto perdure.
O silencio que mantinha, lhe tornava frio.
Você me apresentou o lado oculto de sua alma.
Derramei lágrimas por seu ego ríspido.
O toque suave. Em quanto apalpava meus cabelos.
Deixando uma luz fosca, na qual não precisa mais.
Permaneci aqui por muitas noites.
Pareceu apenas um pernoltar.
As lembranças fluim cada vez mais remotas.
Após anos prevendo tudo,
nunca imaginei que me surpreenderia.
Analisando sempre o lado intocavel.
Andava sem rumo, a procura de viajantes perdidos;
Até que encontrei você, em uma nuvem sonhadora.
Até que lhe resgatei em um longo dia de tempestade.
A grandiosa chuva anunciava sua desistencia.
Eu lhe salvei.
Agora, não precisa mais de mim.
Me tornei sem importancia.
E é agora, que me encontro absolutamente sem rumo algum.
O céu se fechou para mim.

Beijos D.

Nenhum comentário:

Postar um comentário