Páginas

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Um quase nada


Eu me sinto completamente perdida diante a tudo. Tudo que tenho feito não é nada mais nada menos que nada. Me sinto confusa e frágil. Passo os dias esperando pelo próximo, que será exatamente igual a ontem. Dediquei por muito tempo toda a minha vida a lamentações inuteis.
Destinei meu tempo a tristezas. Não que eu gostasse disto, mas não conseguia evitar. E agora que não estou mais triste e afundada em magoas, não tenho o que fazer de minha vida. Meu unico objetivo era mudar. Era superar tudo. E agora que o fiz, me encontro na perdidão, por não ter mais motivos. Por não ter mais objetivos. É como passar a vida esperando e lutando por algo, depois que conseguir, você não seberá mais pelo que lutar. É como se só ouvessem sentimentoss ruins, e quando eles foram embora, não sobrou mais nada apenas um silencioso eco apavorante em meio a nada. Um buraco oco em meio a meu coração. Agora minha vida parece sem sentido e sem razão. Não vejo um motivo aparente para estar respirando.
Me acostumei tanto com a dor, que viver sem ela tem sido insuportavel.
O clima está sempre denso, sempre igual. E já não consigo discernir o que está de fato acontecendo. Me sinto vazia.No meio do vazio. Sem um real motivo para estar aqui, fazendo nada. Passo os dias procurando algo para fazer para que as horas se passem. As vezes elas voam, e as vezes param. Dificil entender.
Minha falta de motivação me tornou em uma morta vva sem sentimentos. Por isto, tentei encontrar emoções nos outros. Eu tentei viver dos sentimentos alheios. Eu tentei viver dos sentimentos dos outros, como uma intrusa em suas almas. Tentei roubar suas vidas tentei resolver seus problemas tentei chorar diante as suas tristezas, e consegui, por um momento previo. Por isto analisava tudo o que você dizia, tudo o que você fazia. Queria tomar suas dores, sua felicidade, suas emoções.
Não sei ao certo o que procuro; Não sei nem o que realmente quero. Eu só queria algo que desse rumo a minha vida. Um unico motivo. O meu unico motivo no entanto, é você. E você está distante demais para me proteger. Distante demais para me deixar segura. Me sinto fraca e sem vida. Precisava de algo vindo de você; Mais sinto minhas lembranças tão distantes, sinto que a exencia que você deixou está desaparecendo. Só o que restam são lembranças. E as vezes, é dificl acreditar que foi real. Sinto como se tudo não passase de um sonho. Um sonho real.
Uma mentira quase perfeita.
Um motivo quase aparente
Um mundo, quase meu.
E tudo isto na minha mente, não passa de um quase nada. E um quase,não é nada, é apenas quase.

Me deito e sinto como se você estivesse me abraçando como fez da ultima vez. Mas é apenas um nada. Uma lembrança alheia que sempre surge de repente, e eu tento acreditar que de alguma forma você está ali. Mas sei que não está.
É apenas,um quase nada.

Beijos D.

Nenhum comentário:

Postar um comentário