Páginas

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Perdida na imensidão da madrugada


O fim chegou. Não exatamente como eu esperava. Nada é como eu espero. Nunca foi. A única certeza que tenho é que eu ainda te amo e que você não está mais aqui. Você está muito distante. Mas se passasse pela minha frente, eu tentaria não te olhar. Pois você não merece nada de mim. Nem mesmo simples palavras. Tudo que você irá receber de mim agora é o silencio. Não que você se importe, mas eu me importo. Tento simplesmente desviar meus pensamentos de você, mas você me apunhalou, e eu nem havia percebido, até sangrar.
Sempre foi fácil para mim simplesmente ignorar, mas isto mudou. Já não consigo mais comandar meus sentimentos. E infelizmente, a ignorância sumiu. Ela que me ajudava a ceder o amor, mas parece que ele dominou. Eu sempre me apaixono pela pessoa errada, sempre me apaixono por aquele mais irá me machucar. E sem dar importância para isto. Você descartou me coração e de mais várias garotas ao mesmo tempo. Você desperdiçou todo o amor que dei. Não tente falar comigo, apesar de eu querer muito ter você, eu não posso. Você só vai despedaçar mais ainda meu coração.E no momento você tem outras vitimas. Não quero ser mais uma a provar de seu sangue e desaparecer no calar da noite. A escuridão ainda me domina e este é seu único medo. Conhecer meu lado sanguinário e sombrio. Posso ser pior do que você imagina, porém, não conseguiria machucar aqueles que mais amo. Agora eu estou fraca. Sinto que a cada momento que fico com menos energias. Preciso de força, só não sei da onde pega-la. Meu coração sente sede. Você me despedaçou, e eu continuo te querendo. Eu não entendo isto. O amor me deixa sem motivações. Apenas saio pela noite, procurando um lugar só meu. Olho para a lua e sei que nunca deveria ter saído daqui. Nunca deveria ter te conhecido. Pois as estrelas não mentem, e elas estão mais fracas do que jamais foram.
Ainda não sei o que estou fazendo aqui fantasiando algo que nunca irá existir. Minhas lágrimas estão presas aqui me sufocando. Estou ficando doente. E a culpa é sua. Você é uma doença. E esta doença já se estabeleceu por todo o meu corpo e todas as minhas veias. Dentro de mim só há você. O hoje não parece não ter fim. O amanhã está muito distante. Não vejo a hora do sol aparecer. Preciso restabelecer minhas forças que você roubou de mim. Você está se saciando de todas; e eu continuo sozinha. Aprisionada no medo de sair há luz do dia.
Não entendo como você faz isso comigo. E eu não consigo sequer fazer você se comover com minha dor que só piora.
Seus sussuros não saim de minha mente e ficam cada vez mais altos. Você parece tão proximo de mim abstratamente, e tão distante fisicamente. Mas não posso encostar em você. E mesmo que se aproximasse, você está com ela agora. Em quanto eu estou calada escutando o que vem do ar para mim. Palavras alheias que surgem em minha mente.
Eu evito dormir. Pois sempre sonho com você, sonhos surreais e apavorosos. Assim, prefiro ficar acordada em plena madrugada, olhando para o nada.

Beijos D.

Um comentário: