Páginas

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Me procurando em meio a lágrimas


Nem eu mesma me entendo. Não consigo me concentrar em nada. Não consigo ficar muito tempo fazendo a mesma coisa. Do nada me da uma imensa vontade de ir para a rua respirar. Ficar muito tempo a toa, apenas admirando o céu, e a paisagem. Não entendo por que não gosto de sentar na frente. Em nada. No carro, na sala de aula, no ónibus...

Eu não consigo me entender. Posso estar em qualquer lugar, mas nunca estou aonde realmente me encontro. Me escondo diante de minha própria sombra.

Não entendo porque as vezes me da vontade de te espancar. Do nada.

Não consigo entender por que sem motivo nenhum, quero chorar. Não entendo porque, as vezes, quero sorrir. Não consigo ficar em casa. É um lugar tão triste e vazio, apesar de tem muita gente. Saio de casa a toa, apenas para andar, ouvido musica, como sempre. Andar por ai sem rumo, apenas pensando e tentando perceber aonde eu errei, ou no que.

Não consigo entender minha imensa vontade de me jogar na cama e de não sair de lá nunca mais. Não consigo fazer mais nada. Apenas ficar parada pensando. Minha vida está basicamente em pensamentos e palavras, nas quais sempre tento colocar em contexto dentro de meus cadernos. Meus cadernos cheios de frases nas sob capas e textos depressivos dentro.

Eu não entendo por que não consigo agir como as pessoas normais, é como se algo estive sempre de mim tentando sair e eu não consegui-se liberta-la e ela ficasse se acumulando aqui dentro e me engasgando. Me torturando e se debatendo tentando sair.

Fico com vontade de chorar o tempo inteiro, sem motivo concreto, e nada faz muito sentido. É como se eu estivesse no lugar errado. Como se não me encaixasse e não me reconhecesse. No fundo acho que eu nunca me conheci.

As vezes me perco em meio a minha própria escuridão. Me perco no meio da noite. No meio de um olhar torto. Me sinto como se eu fosse vapor, como se eu não existisse de verdade. Como se eu tocasse nas coisas e minha mão atravessasse as coisas. E como se quando eu tentasse te tocar, eu não conseguisse. E como se você sumisse no meio de energias negras formadas por mim. Como se eu não conseguisse nada que pudesse te segurar.

Beijos D.

Nenhum comentário:

Postar um comentário