Páginas

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Distance from you


Muitas vezes, eu quis pegar uma mala e sair correndo. Ir para o mais longe possível aonde ninguém poderia me encontrar. Muitas vezes, tentei me isolar. Mas agora, consegui superar algumas coisas, consegui acreditar em mim mesma. Tirar as soluções de dentro de mim. Está não é uma decisão que eu possa voltar atrás. Não é algo que eu possa decidir do dia para noite. Já cansei de não dormir tentando achar a solução. Tentando ver o que é melhor para mim. Depois de tanto sofrer, tudo o que eu quero agora é fugir. Sempre foi. Até eu ser obrigada a isto. Preciso de você comigo. Mas também preciso que você mantenha distancia. É algo que não consigo explicar. Sei que vou sofrer se ir. Mas também sei que vou sofrer se ficar. Quaisquer que seja minha decisão, vou chorar. Não importa que destino minha vida tome. Sempre haverá algo faltando. Muitas perguntas passam sobre minha cabeça o tempo inteiro. Isto está me enlouquecendo. Deito-me, fecho os olhos e tento visualizar as opções. As duas boas. As duas ruins.

Fugir e nunca mais ser vista é uma proposta tentadora. Ontem, não consegui dormir com tantas coisas em minha mente. Já estava amanhecendo. Fui até a rua e fiquei observando. O sol se refletia em minhas lágrimas. O vento passava, e eu sentia friu. Mas já não me importava. Colhi uma rosa e fiquei muito tempo a admirando. Por que não podia ser fácil? Por que nada por ser simples?

Talvez, quando estiver pegando minha mala e indo embora para nunca mais voltar, eu me arrependa. Pois seu rosto ficaria gravado em minha memoria há todo instante. Lembro-me de quando lhe contei da possibilidade. E você chorou; Chorou até não poder mais. Você e os outros. Tenho cartas das pessoas que mais amo guardadas em minha mochila. Cartas nas quais desabafaram. Minhas amigas que sempre estiveram comigo, sempre me ajudaram a fazer a coisa certa. Sempre com partilharam a pouca alegria que lhes resta depois de decepções. Na hora em que mais precisava, vocês estavam lá. Todos. As alegrias e as lágrimas lacraram aquilo que chamamos de amizade.

Se eu fosse, eu poderia criar uma vida nova. Deixas todas as lágrimas para trás era tudo que eu queria. Talvez fosse a oportunidade perfeita. Um lugar distante, onde ninguém poderia me encontrar, e um recomeço. Eu poderia mudar. Ser diferente. Ter uma nova chance de vida. Conheceria pessoas que não iriam fazer ideia de quem sou, mas depois, com o tempo, me conheceriam exatamente como sou. Talvez a historia lá, fosse melhor. Nunca é tarde para começar um novo texto. Difícil mesmo, é salvar um antigo. Numa terra distante, um lugar lindo, a minha vida seria diferente. Eu apagaria tudo de minha mente. Não que eu estivesse desperdiçando lembranças, mas não posso viver delas. Principalmente se são ruins.

Se eu ficasse, continuaria com você, com elas, tudo como sempre foi. Continuariamos nossa luta rumo a felicidade. Uma estrada difícil mas não impossível. Poderia te abraçar e sugar todo seu amor para mim. Fazer o mesmo caminho de sempre para escola. Começar sempre um novo dia. Sorrindo e me divertindo com vocês. Nenhuma das lembranças que tenho foram em vão. Todas serviram de alguma forma para formar o que sou agora.

J. e N. eu sentiria muito sua falta. Somos amigas desde de criancinhas. Crescemos e amadurecemos juntas. Cometemos erros, estivemos em situação dificieis, amamos. E eu sempre pude contar com você. Você sempre esteve do meu lado. Nossas risadinhas na sala de aula e até aquelas conversas nas quais nos acabávamos chorando. Quando você me dava a mão e dizia que tudo iria dar certo. Como você sempre me confortava, e como as vezes você chegava super feliz e começava a contar tudo o que aconteceu com um lindo sorriso no rosto. Ou quando chegava chorando e vinha me abraçar. Quando me ligava dizendo que algo horrível havia acontecido ou simplesmente ligava para falar sobre cabelos e maquiagens. As madrugadas que passávamos conversando sobre tudo. E como agente ia até o fim pela outra.

Eu vou ou iria sentir muita saudade de tudo isto. Se eu for, nunca vou esquecer de como eu te viciei em ler textos de amor, e hoje em dia até temos este blog com muitos deles. Um blog que se tornou nosso refugio. Que se tornou um lugar para os corações machucados. Eu adoro o jeito como você é alegre e expontania. Desculpe pelas vezes que te xinguei. Eu sempre estava cansada e triste e descontava tudo em você. E você nem ligava, simplesmente me abraçava. Eu adoro nossas conversas sobre quem amamos e sobre a vida que temos normalmente no msn. Conversa que dura horas. Eu realmente não sei o que fazer. Ir vai ser ótimo. Fugir é o que toda garota pensa em fazer sempre. Mas não posso abandonar as pessoas que amo. Principalmente aquele alguém. Eu não suportaria ter de partir. E não suportaria os ver chorar. Talvez eu devesse ficar. Mas também tenho medo de dizer que não quero ir, que prefiro minha antiga vida. Tenho medo de meu pai ficar triste. Ele estava tão feliz. Contando com isso... Mas não só por ele. Tenho medo de estar perdendo uma grande oportunidade. Uma que talvez não tenha nunca mais. Tenho medo de me arrepender de não ter mudado de vida quando pude. De ter continuado aqui. Como sempre foi. E que talvez, sempre vá ser. Estou completamente confusa e cansada, chego a estar psicologicamente doente. Mas já cansei de estar confusa cansada e psicologicamente doente. D:

Beijos D.

Um comentário:

  1. Realmente nos deparar com um mundo novo de possibilidades é assustador...mas acho que mais assustador é olhar pra trás num determinado momento e chorar pq não fizemos aquilo que queríamos.

    Busque equilíbrio nas suas decisões e a resposta virá de dentro de vc mesma...=)

    Sorte...sucesso!

    ResponderExcluir