Páginas

sábado, 30 de outubro de 2010

Dar um tiro em sua cabeça

É isso que quero fazer de fez em quando. Certas vezes, vejo uma pessoa completamente diferente em minha frente. As vezes minha mente fica uma confusão e me perco em pensamentos. Tentando entender o por que de você ser tão diferente certas vezes e tão normal em outras. Dependendo do meu humor, do dia, da roupa que visto, do sol se é dia par ou ímpar, tenho uma opinião diferente a seu respeito. Por que você não resolve ser uma pessoa só? Para que eu não me divida tentando te entender.
As vezes quero te abraçar com toda a força, e outras quero te soquear com toda a raiva. Deito tentando saber qual das faces é a sua, e tentando saber se elas realmente vão estar em equilíbrio todo o tempo. Se uma se fortalecer mais que a outra havera uma indiferença entre você e o resto do mundo. Minha raiva e meu amor por você andam lado a lado. Um lutando contra o outro. Em torno de um sorriso um odeio tremendo. De tudo que você é as vezes e do que já foi.
Me diga, afinal quem é você? Procure lá no fundo e me diga. Preciso de você aqui. Mas não sei quem realmente quero aqui por não saber quem você é. Se você é meu bem ou meu mal.
Longe de mim você age de outra forma e queria saber por que. Tento buscar a verdade no fundo dos seus olhos. Vejo a verdade, mas não consigo entende-la.
As vezes você parece outra pessoa. Não sei no que confiar. O vento e as folhas passam por mim, e só o que faço é sentar no chão. No meio daquela rua florida, e ficar ali. Por muito tempo; Tentando ver algo pelo que passa ali. Na minha minha mente tudo passa o tempo todo e nada faz sentido. Isto me corroei. Só o que tenho que fazer é esperar. Sua face vai ficar a mostra. Uma mascara não dura muito tempo. E se eu estiver me perdendo novamente? E se o que eu pensei que fosse o heroí for o bandido?
Mas quer saber? O jeito, é continuar seguindo esta rua rumo ao seu coração. Andando lentamente, tentando desviar das duvidas e do vento forte que diz para eu voltar. Ficar ali sentada no chão esperando uma resposta vai me consumir. Se a rua for sem saída, não custa dar meia volta e seguir por ai procurando o melhor para mim. O que eu tenho que não posso fazer é ter medo de ser feliz. O amor existe? Não custa tentar. Seguir de cabeça erguida é a lei da vida. Se eu estiver entrando em um beco sem saída tenho quem possa me salvar. Pule para o alto, grite, sinta a energia, não tenha medo de flutuar, nunca tenho medo de nada. Você sempre vai poder contar com alguém. Nem que seja você mesmo. E se você estiver sem forças para continuar andando, acredite no poder. Acredite em quem está lá em cima.

Beijos D.

Nenhum comentário:

Postar um comentário